A Caverna

Esta é a caverna, quando a caverna nos é negada/Estas páginas são as paredes da antiga caverna de novo entre nós/A nova antiga caverna/Antiga na sua primordialidade/no seu sentido essencial/ali onde nossos antepassados sentavam a volta da fogueira/Aqui os que passam se encontram nos versos de outros/os meus versos são teus/os teus meus/os eus meus teus /aqui somos todos outros/e sendo outros não somos sós/sendo outros somos nós/somos irmandade/humanidade/vamos passando/lendo os outros em nós mesmos/e cada um que passa se deixa/essa vontade de não morrer/de seguir/de tocar/de comunicar/estamos sós entre nós mesmos/a palavra é a busca de sentido/busca pelo outro/busca do irmão/busca de algo além/quiçá um deus/a busca do amor/busca do nada e do tudo/qualquer busca que seja ou apenas o caminho/ o que podemos oferecer uns aos outros a não ser nosso eu mesmo esmo de si?/o que oferecer além do nosso não saber?/nossa solidão?/somos sós no silêncio, mas não na caverna/ cada um que passa pinta a parede desta caverna com seus símbolos/como as portas de um banheiro metafísico/este blog é metáfora da caverna de novo entre nós/uma porta de banheiro/onde cada outro/na sua solidão multidão/inscreve pedaços de alma na forma de qualquer coisa/versos/desenhos/fotos/arte/literatura/anti-literatura/desregramento/inventando/inversando reversamento mundo afora dentro de versos reversos solitários de si mesmos/fotografias da alma/deixem suas almas por aqui/ao fim destas frases terei morrido um pouco/mas como diria o poeta, ninguém é pai de um poema sem morrer antes

Jean Louis Battre, 2010

5 de junho de 2017

o vento das palavras (ou mito de sísifo)

recolho o vento nas palavras/amargo o tempo como quem arrasta sonhos/amarro os nomes com palavras/agarro as coisas com a boca/elas tem um gosto amargo/um gosto gasto pelo mesmo/e as coisas me escapam pelos dedos/entre os dentes/não separo o sal da pedra/não separo o céu do olho/talho coisas/frases soltas/sopros/prantos/vagas vozes/sopros postos/encontro atalhos/como quem posta um ponto nas reticências do infinito/poema é só um ponto solto entre os três já postos pontos/entreposto/o silêncio das palavras é como outra manhã qualquer/não resta o que fazer/estou fadado à escrever palavra após palavra/esticar a corda sobre o abismo/andar/atravessar/encaro o branco que se posta à proa/no começo de cada dia/acordo/como/tomo um café atrás do outro/escrevo uma linha após a outra em desalinho/muitas morrem levando um pouco de mim mesmo/ao perder o que não tenho eu me encontro/salgo os dias com o sopro do cotidiano/conto os lapsos/as horas/perco os passos/e no passo a passo do poema/ensaio/mas fico de onde já não saio/solto as sílabas no silêncio em branco/o papel acolhe o nada/recolho espantos

Salvador Passos

2 de junho de 2017

BILHETE PARA BIVAR

hoje é o dia que os
          anjos descem nas
          catacumbas de cimento
sem o aviso das
          máquinas de empacotar
sem saltar sobre
          caramanchões de poluição
disseminando comportamento
           de Lacaio
é o momento do
           último homem
o que dura mais
           tempo
é o tempo do crime
           & sua prova
a caveira que ri
           na noite vermelha
a explosão demográfica
& a fome a galope
é o Sol mudo a
Lua paralítica
Drácula janta na
            Esquina
E para que ser poeta
             em tempos de penúria? Exclama
             Hölderlin adoidado
assassinos travestidos em folhagens
hordas de psicopatas
              atirados nas praças
enquanto os últimos
              poetas
perambulam na noite
              acolchoada

Roberto Piva

Amor América

A maior cena de amor Americana não é nenhum beijo de Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. Não tem Deborah Kerr nem Gregory Peck, não é aquele beijo do soldado na enfermeira no final da Segunda Guerra Mundial. A maior cena de amor Americana é Jacqueline Kennedy Onassis subindo em desespero a capota daquele Ford modelo Lincoln para catar os pedaços explodidos da cabeça de John Fitzgerald Kennedy. São algumas dezenas de fotogramas da primeira dama em transe, ensangüentando as mãos nos miolos daquele 22 de novembro de 1963. Lee Harvey Oswald matou Kennedy. Dois tiros cirúrgicos, um no pescoço e outro fatal na cabeça. Foi você mesmo Oswald?! Não! Oswald o teria devorado! Lee Harvey ex-marine. Até tu Brutus?! É presidente, quem deu o tiro foi um dos teus... Naquele dia D of the Big D, Dallas city. Don´t you mess with Texas, Mr. President. Sempre que vejo um beijo em preto e branco ou escuto ao longe o Sam tocando de novo em Casa Blanca, lembro de Dona Jacqueline ajoelhada no carro, já funerário, atrás do cérebro espatifado do marido. Amar é ter nas mãos essa massa cinzenta que pensava a América! Cinzenta como a Lua que ele queria conquistar. Flicts. É presidente, naquele 20 de julho de 1969 lembrei de suas palavras. Um homem na lua. E você, o que teria pensado Kennedy ao ver na distância aquele foguete Saturno V cortando os céus como a bala que cortou o ar até a sua cabeça?! A small trigger for a man’s finger but a giant blow for a human head! Dona Jacqueline catando miolos para alimentar mortos vivos! Miolos! Miolos! Nada é por acaso nessa vida. Lincoln morreu na sala Ford do teatro Kennedy. Kennedy morreu num Ford modelo Lincoln. É, nada é por acaso nessa vida. Sempre que penso no amor na América penso em Dona Jacqueline ajoelhada, apavorada, apaixonada, com as mãos empapadas de sangue, catando a cabeça explodida do marido.

E Pelé disse: Love, Love and Love!
 

Nefelibata ou aguas de março reloaded

“- Trate de tomar sua sopa, seu maluco, mercador de nuvens.”
 Charles Baudelaire


chove há tanto tempo
chove há tantos dias
chove há tantas eras
que parece que o certo
é mesmo o mundo assim
chovendo
mesmo que chovendo no molhado

olhando as nuvens
na contraluz elétrica da cidade
vai dando um medo
medo de que o mundo esteja mesmo é nas nuvens
que os prédios se condensem
e que caiam gotas de apartamentos
para o céu


Domingos Guimaraens

29 de maio de 2017

daltônicos vendem balas nos sinais de trânsito

vejo os aquários de concreto
alçar seu voo sólido sobre o imaginário das cidades
entre janelas e vértebras oxidadas
vejo arenques
que escondem suas escamas espelhadas
sob ternos burocráticos
ao melhor estilo armani
um prometeu acorrentado
com tendências pirofóbicas
condenado a atar e desatar gravatas
usando apenas anacrônicas barbatanas

agitam involuntariamente suas mandíbulas
tentando desatar o nó da forca 

qual escorregadia colonização os leva
a adotar distantes vestimentas

desesperados gestos
de ânsias
e espasmos

brânquias claustrofóbicas
numa espécie de contorcionismo afásico
buscando o oxigênio esquecido das palavras em preto e branco

trechos de uma comédia do cinema mudo
replicando algum tipo de gagueira automática

habitantes de janelas cegas
hipnotizados pela estática das TVs abandonadas
arma de distração em massa

dois aquários mudos sobrepostos:
janelas e TVs abandonadas
multiplicando um diálogo impossível de ser datilografado a distancia

nas ruas enxames de daltônicos vendem balas nos sinais de trânsito
mariposas fotofóbicas não querem mais ornamentar poemas líricos

estamos presos no engarrafamento da autopista Sur
e confundimos utopias com a meteorologia

Salvador Passos

23 de maio de 2017

transe das cidades

afundam as cidades em algum transe tectônico
as horas são marcadas pelas turbulências
vejo um relógio imóvel preso no horizonte
aviões indiferentes passam sobre nossas vidas
estragam o silêncio das manhãs à toa
espiões distantes
expoentes de um progresso sem silêncios
árvores cortadas bem na tarde de domingo
sangra o silêncio entre os prédios 
muitos gritam
mas não adianta
o progresso é uma máquina automática de amordaçar delírios
o incêndio das palavras arde nas esquinas
são poucos os que percebem o naufrágio nas vitrines
existem fósseis dentro das calçadas
nomes esquecidos nas planícies

ainda habito a precária arquitetura do silêncio
& corro pelas ruas sem palavras

o poema é um incêndio infinito

Salvador Passos

18 de maio de 2017

novo mantra

fundar-se com a essência
e dela tirar um sentido
- ainda que insuficiente-
de alguma insurreição.

não se tornar
o que se estava pronto
para se tornar.

essas coisas não são
verdadeiras e podem
nos fazer bem felizes.

olhar para as plantas
do caminho sem pés.
não decorar nomes,
olhar as plantas
na escuridão.

não se especializar.
abraçar ingenuamente
a impossibilidade
e o terrível sofrimento
de ser um pouco de tudo
ou quase nada.

observar as pombas
sobre as poças
da última inundação.

como são sujas e alegres.

ser sujo e alegre
após a inundação.

Leonardo Marona